Satisfação profissional e dinheiro?

Pessoas sentadas na mesa conversando sobre satisfação profissional

Trabalhando com coaching vocacional muitas vezes vi o cliente se questionar sobre fazer algo que ama ou amar aquilo que faz. Essa reflexão está, muitas vezes, relacionada à linha que separa a satisfação profissional de boas remunerações.

Afinal, o dinheiro é essencial para a sobrevivência, talvez tanto quanto a procura por melhor qualidade de vida e de condições de trabalho, e, por melhor que seja a carreira ou os ganhos, é comum passar esse pensamento.

O fato é que não existe uma resposta certa, o importante é ter consciência da situação e do posicionamento. Separei alguns elementos que facilitam a meditação sobre a carreira ideal. Confira abaixo e conquiste a segurança para seguir no caminho escolhido!

Valorizar o sucesso financeiro

Prosperidade é uma medida subjetiva, cada pessoa terá seu próprio parâmetro. Enquanto para alguns um salário muito bom estaria na faixa dos três a quatro mil reais, outra pessoa pode se sentir fracassada recebendo quinze mil reais. Você percebe a diferença? Acontece que não é apenas aí que mora o segredo do dinheiro.

Claro que é importante poupar dinheiro e saber planejar a saúde financeira, mas reflita sobre qual é a sua real vontade. Pode ser viver sem dívidas, ter um carro próprio ou talvez fazer uma grande viagem. Avalie se o caminho para conquistar o que você deseja vale mais do que a satisfação de se desenvolver profissionalmente.

Trabalhar com amor

Outro ponto importante que trabalho com os meus coachees está em fazer algo que goste. A tendência é que a pessoa procure se realizar com aquilo que ela percebe ter maior talento. Entretanto, todo mundo tem potenciais, muitas vezes adormecidos, que podem ser desenvolvidos assumindo uma função que antes nem se imaginava exercendo.

Por isso, ao avaliar qual é o melhor rumo para seguir, tenha em mente que você pode estar perdendo a oportunidade de trabalhar um dom ou descobrir uma nova atividade da qual você gosta. Além disso, mesmo que você siga a profissão sonhada, terá que desempenhar papéis que não aprecia tanto assim, não é mesmo?

Pensar na qualidade de vida

Já vi pessoas reclamarem que não suportavam mais a profissão e, após uma conversa, descobri que o problema era um chefe ou supervisor que gritava ou faltava com o respeito de alguma forma. Do mesmo jeito, é comum o discurso da busca por satisfação profissional para se afastar de pessoas tóxicas no trabalho.

É preciso ser sincero e descobrir se existe uma questão entre a satisfação profissional e o dinheiro de fato. Se for o caso, tenha um símbolo que represente a qualidade de vida para você. Alguém trabalhando na bolsa de valores provavelmente tem uma rotina intensa, mas será que isso incomoda? Talvez, pelo contrário, seja o que você está procurando.

Descobrir os princípios inegociáveis

Essa é uma questão pessoal e que precisa ser muito bem avaliada. Seja seguindo a carreira desejada, seja desempenhando uma função muito bem remunerada, existe uma linha que precisa ser respeitada. O bom é que quem impõe esse limite é você e tem a ver com aquilo que quer e acredita: seus princípios e propósitos.

Simon Sinek diz que o grande porquê inspira e motiva grandes marcas e também grandes pessoas. De acordo com seus valores, verifique o que é mais relevante. Talvez exista uma falsa sensação de satisfação profissional ligada ao status de uma carreira. Ou, ainda, achar que receber a média salarial de determinada profissão resolverá situações emocionais.

Pesquisar o mercado

Você provavelmente já ouviu alguém recomendar as carreiras tradicionais como Medicina, Engenharia e Direito para alcançar uma vida estável e com excelentes rendimentos. Há também um perfil mais atualizado, que gosta de profissões que oferecem desafios para se realizar e alcançar os sonhos ao mesmo tempo.

Você já analisou o cenário no qual pretende ingressar? Pergunto isso porque se alguém, por um lado, procura por satisfação profissional, hoje temos novas profissões que podem surpreender e promover realização, como o próprio coach de carreira. Ainda por cima, é possível planejar o desenvolvimento financeiro e alcançar as metas desejadas.

Avaliar a situação real

Depois de pesquisar o mercado, outro passo para decidir qual das opções é mais importante para você, é entender a situação na qual você se encontra. Apesar da escolha profissional acontecer por volta dos 20 anos, ao ingressar para a faculdade, é comum buscar por novos rumos ao longo da vida, principalmente chegando aos 40.

Existem pontos que podem influenciar na sua escolha de acordo com a sua condição. Você tem uma família que depende da sua renda? Já existem dívidas? Caso você tenha uma formação, está disposto a fazer um novo curso superior para desempenhar a função sonhada? Entenda o que é possível fazer em um primeiro momento e qual é a sua disposição.

Planejar o futuro

Agora é hora de planejar a carreira e como ela se encaixa na sua vida. Existem muitas técnicas que você pode usar para montar um plano de ação compatível com a sua realidade e o ponto que você pretende alcançar. Eu recomendo que você busque ajuda profissional nessa etapa, afinal, se você idealiza algo, certamente deseja que aconteça da melhor forma possível.

Liste todos os recursos que serão necessários, calculando o tempo empenhado em formações, networking, estágios ou implementação da carreira. Lembre-se também das pessoas que poderão auxiliar você e em quais etapas seria interessante acioná-las.

Conciliar satisfação profissional e dinheiro

Por fim, vamos para uma questão que já abordei indiretamente quando citei o exemplo do coach de carreira, gostaria que você se perguntasse: Seria possível me realizar profissionalmente e ter a remuneração desejada? De certo modo, escolher uma das opções não exclui a outra.

Então, por mais que você queira alcançar a satisfação profissional ou atender à sua expectativa de prosperidade, você deve ter percebido que é preciso avaliar sua situação atual e como alcançar seus objetivos, não é mesmo? Na minha experiência com coaching de carreira, percebo que a situação se simplifica quando o cliente consegue visualizar os resultados a longo prazo.

Se você gostou deste texto, deixe nos comentários abaixo sua opinião. Conte qual o fator que você considera mais importante na hora de decidir qual profissão seguir. Fico feliz quando vejo a participação das pessoas por aqui, seu comentário me ajuda a entender se estou seguindo no caminho certo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X